Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Momentos

por Lazy Cat, em 28.07.07
Estacionaram lado a lado.
Sorriso. Sorrisos.
E agora?
Ela viu uns olhos. Azuis.
Da cor daquele céu de verão.
E um tufo de caracóis revoltos
Ideais para passar a mão.

Entramos?
Entraram. Fechou-se a porta.
Abriu-se o silêncio.
Tinha sido fácil chegar ali...
Mais sorrisos, hesitantes.
e perguntas importantes.
Então? mudou algma coisa?
Não. Não tinha mudado nada.
Apenas havia olhar, corpo e mãos
a associar a uma voz.
Gosto destas mãos,pensou ela.
Ele? não sei do que gostou.
Partilharam abraços. Beijos.
Carinho. Partilharam histórias.
E esfumaram-se as horas.

Como nos contos de fadas,
a magia foi-se embora...
Gestos desajeitados, abraços.
"Gosto de ti" trocados.
Ele regressou pelo mesmo caminho.
Ela foi para casa, sozinha.
A vida tem coisas destas...

A vida tem coisas bem melhores que contos de fadas
momentos em que o que sentimos é verdadeiro,
as deixas não são inventadas.
Sem espaço para mentiras ou verdades pouco claras.
Momentos em que se separam os corpos
mas se amarram definitivamente as almas.

e eu gosto de momentos assim!

publicado às 22:57

Carta

por Lazy Cat, em 28.07.07
Gosto muito de ti.
De acordar e saber que te encontro.
Sem saber de onde vens,
mas também não me importo.
Gosto de te sentir ao meu lado
quando me viro na cama.
Gosto de te saber em casa
para o jantar.

Sei bem que não gostas de multidões,
de teatros, de cinema, por isso nem te peço
para me acompanhar.
O barulho dos centros comerciais incomoda-te.
Vou sozinha comprar...
Os teus cereais, a tua fruta, o teu vinho,
tudo escolhido com muito carinho.
Sei que estás cansado. Muito trabalho, muitos serões.
Fins-de-semana passados a trabalhar.

Sei que te vou encontrar a ler, ou a jogar.
Ultimamente preferes o computador. Faço o que
posso para não te incomodar, meu amor.

Deito-me cedo. Espero por ti.
Muitas vezes adormeço sem te abraçar.
Levanto-me cedo. Deixo a casa a brilhar.
Faço o teu almoço e vou trabalhar.

Não me lembro bem se ainda me procuras.
Mas estás em casa. Estou segura.
Já não me lembro bem do teu sorriso.
Mas sei que me amas, dizê-lo não é preciso.

Hoje fui às compras sozinha.
Comprei coisas lindas, de rendas e de seda.
Não, não precisas de ver...para ti sou uma princesa!
Mas...eu até queria mostrá-las.
Que as tirassem, me tocassem sem elas.
Sei que não tenho rival,
mas tenho saudades tuas, afinal.

Mas deixa estar. Nem te preocupes.
Continua aí, entre o trabalho dobrado e esse jogo viciante
que te mantém afastado de mim pela madrugada fora.
Não sei com quem trocas tantas mensagens.
Mas porquê pensar nisso agora?
Nem porque pareces tão feliz quando chegas, apesar de cansado.

Hoje vais chegar, como sempre, cansado e sorridente.
E sem vontade de falar.
Nao faz mal. Vais encontrar a mesa posta.
O jantar não sei se faço.
Mas deixo-te uma casa vazia de mim.
E levo algumas recordações.
Não muitas. Não há muito de bom para levar.
Mas sabes? nos ultimos tempos, aprendi muito.
Não fui feliz, mas ainda vou a tempo...

publicado às 19:42


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog