Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Lazy Cat, em 06.09.07
Esta carta é para ti.

Tem dentro todas as palavras e todos os silêncios que gritam o que sinto por ti. Tem todos os momentos que partilhámos, todos os sonhos que sonhámos, tem todos os teus sorrisos e esperanças, tem todos os nosso projectos, todas as nossas saídas, os nossos segredos, as nossas danças. Tem a tua mão na minha ao luar, à lareira, na floresta, a passear. Tem o sol na pele, o sal nos lábios. Tem cores e sabores de férias partilhadas. Tem flores e jardins e relvas frescas e macias. Tem sorrisos e risos de crianças, novos olhares e mais algumas esperanças. Tem lençóis enrugados, serões prolongados, tem manhãs preguiçosas, tem noites sem fim. Tem as tuas telas e os meus pincéis, uma aguarela feita a dois. As nossas letras, palavras murmuradas, as mentiras pequeninas. Tem fios de desejo que atravessam o papel, tem um ou outro beijo, tem fotos de família, tem baloiços no jardim, tem um arco-íris que ri pintado numa parede, tem bochechas carmim, bonecos de neve, tem uma vida imaginada, pintada e colorida por mim.
Tem um sonho em suspenso, à espera de ti!




Strani Amori * Renato Russo
Strani Amori * Laura Pausini

publicado às 19:05

Meu...

por Lazy Cat, em 06.09.07
"Que me abrace quando me apetece chorar
Me dê beijos, em silêncio e me deixe desabafar.
Que saiba perceber sem palavras, que adivinhe..."

Abraços,
por encomenda silênciosa,
beijinhos e carinhos
com razão mas sem hora
uma mão na minha,
e vidros coloridos
quando o meu tempo chora
gargalhadas repentinas,
bricandeiras,
como serpentinas,
que o vento agarra e desenrola.
E confetis de alegria,
espalhados pelo chão
tudo isto sem pedir.
Apenas porque sim.
Porque agora, porque não?
Porque sabes como sou
E porque gostas de mim.
E porque também lá estou
Quando o teu céu troveja
E é minha,
no escuro profundo,
A boca que te beija.
São minhas as palavras
Aquelas que odeias,
que te fazem explodir,
que te rasgam
e minhas as mãos que
te abraçam e te embalam
e aquecem e fazem dormir.
É meu o pé que encontras,
Quando te desvias do caminho
E mesmo que te percas
Nunca o fazes sozinho
São meus os silêncios,
Onde te vens refrescar
É meu o sal
Que te faz crepitar
Porque nos amamos
Nesta doce forma de estar
De ser sem pertencer
De dar sem mentir
e receber sem cobrar
Estranha para o mundo
Tão boa de estar…


... Cavaleiro andante

publicado às 00:00


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog