Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Noche de San Juan

por Lazy Cat, em 05.01.08

 

 

 

Photobucket

 

 

 

 

 

 

Entrou com passos lentos. O escuro interior contrastava com a luminosidade das ruas, apesar de começar a entardecer e sentia-se um ar fresco, ainda que carregado de fumo de tabaco e algo que não identificava. Aos poucos foi descortinando o tablao, no canto mais afastado da sala, iluminado por um foco único. Ouviam-se respirações pesadas e sentia-se expectativa no ar. A tensão. Era esse o cheiro que se misturava com o do tabaco.

 

Três cadeiras na parte posterior, apenas visíveis, na penumbra criada pelo foco. Um silêncio quase sepulcral, não fossem os suspiros saídos da alma de alguns presentes.

Alguém lhe tocou levemente no braço e murmurou:

 

 – Vamos señorita, siente-se por favor. Ahora mismo la sirvo, que va a empezar.

 

Sentou-se na mesa que lhe indicaram, de olhos fixos naquele palco que lhe pareceu pequeno, apesar de não lhe ver o fim, e tentou descobrir a sala, sem conseguir, de tal forma estava escuro e se adensava o fumo.

 

Procurou com o olhar o rapazito que lhe tinha indicado esta taberna, mas a porta já estava fechada. Provavelmente nem tinha chegado a entrar, tendo-se retirado para angariar novos clientes uma vez seguro de que ela ia ficar. Perdeu-se a rever aqueles olhos escuros, que davam ao rapaz um ar de velho, se bem que não devia ter mais de catorze ou quinze anos. Abordara-a ao longo do rio, enquanto ela vagueava, perdida em memórias de uma vida que lhe parecia distante.

 

- Señorita, si quiere la llevo al lugar mas mágico de la ciudad. Se le soltarán las lágrimas que le inundan el alma Señorita.

 

Começou por dizer que não, mas ele insistiu.

 

- Deje-me que sea la voz de su destino, Señoria. La llevo de la mano, no es lejos. Es una noche ritual, en que se encuentran la luna y el sol, el cielo y la tierra, y se revelan las respuestas a todas las preguntas.

 

A mão dele era macia, a pele escura de cigano. Nem se tinha apercebido. A sua própria cor não era muito diferente, talvez fosse por isso.  Ainda meio perdida em pensamentos, deixou que a levasse com passo leve e em silêncio até à porta. Uma porta banal, como tantas outras, perdida numa viela banal. Nem letreiro nem qualquer outro tipo de aviso ou informação. Retesou-se brevemente, mas ele abriu a porta e com um sorriso mandou-a entrar.

 

- No dude en encontrar-se con su suerte.

 

Talvez noutras circunstâncias tivesse recusado entrar, talvez noutro momento, talvez…

 

Envolveu-a um silêncio ensurdecedor. Entraram três figuras indistintas para aquele palco rústico de madeira, sentaram-se. E começaram a tocar…

 

 

  

Photobucket

 

 

 

E porque com o novo ano se perderam algumas coisas, eu não peço mas intimo

a Ki, o Carlos Lopes, o Lobo e a Viajante a dar um desfecho a esta história….e a pubicá-la no  domingo às 22H.

publicado às 02:00


19 comentários

De The Wolf a 05.01.2008 às 02:59

Si menor, Lá, Ré, Ré de 7, Sol, Fá Sustenido, Fá, Mi...
hum... saudades... memórias...

Entre notas que arrepiam...
Cordas que se arranham...
Notas que miam...
Até ao infinito da noite...

De Viajante a 05.01.2008 às 11:16

Ok... não prometo nada de tão bem escrito... mas vou tentar viajar até Sevilha ;)

Beijo viajante...

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 20:00

Aqui não se fazem promessas viajante....n precisas.
Intimam-se pessoas a escrever e passeia-se por telhados. Mas também te podes enroscar num recanto abrigado, e ficar a ouvir a música....

Beijo de gata!

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 20:08

Wolf....

Cordas que se arranham até pode, notas que miam...
Muita imaginação Lobo! Gosto do infinito da noite. Onde tudo ou nada pode acontecer, onde entre notas de guitarra e palavras por dizer se encontra a vida, num arrepio de prazer...

hummm......Saudades?

Big Cat Kiss Wolf.


De Carlos Lopes a 05.01.2008 às 12:43

Vou tentar, gata. Vou tentar. Vou ter um fim de semana complicado, mas vou tentar.

*conheces João Cabral de Melo Neto? Não há melhor poeta para escrever sobre Sevilha. Lê, se puderes, o livro Sevilha Andando e já agora, outro ainda: Andando Sevilha.

Acho que vais gostar.

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:59


Gostarei certamente. Não vou deixar de aceitar a sugestão. Se bem que neste momento e pela primeira vez na minha vida ando a ler pouco (livros).

Cat Kiss Carlos.

De ______ a 05.01.2008 às 13:28

Intimada? INTIMADA?? Não posso domingo e não saberia continuar este texto com as ideias congeladas como andam, mas não de falta de criatividade mas sim congeladas nesse campo mais envolvente é que é assim a modos que eu andar com tanta mas tanta energia que falar de amor (sei q poderia n ir por aí mas a imagem pintada sugere-me…) era tipo uma kryptonite no meu voo…. acho que tou com sídroma de gajo.
Acredito que não gostes desta recusa mas desta vez vai ter que ser, domingo tá planeado e para além disso o prazo é curto e o tempo não me chega…

Beijos com salero

P.S. – Esta imagem lembra-me alguém…..
P.S.2 - Os três intimados vão surpreender :) e eu lerei, claro!

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:57

Esta imagem lembra-te alguém?
A mim lembra-me alguém, também. Que adora caipirinhas....

Quem te lembra esta imagem gata Ki?

De ______ a 06.01.2008 às 22:05

A imagem lembra-me quem compensa u ma hora de demora... e aprecia uma fruta branca de casca rosada como tanto gosto!

De ______ a 05.01.2008 às 13:31

Gostei da aura deste texto parece-me um tango misterioso e sedutor. Escrito como só tu sabes, lido de um fôlego e sentido ao som desta fabulosa e viciante música.

Outra coisa… Acho que ela vai ter uma surpresa vinda do passado distante ( hihihihihi)

Kiss de gata

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:55

Achas? Mas não contas?! BAH!

Viciante a música sim. Há muito que tinha esquecido muitas que agora me apetece ouvir aqui.

Cat Kiss

De Dulcilena a 05.01.2008 às 14:11

Olá...
Passei por aqui para te deixar um grande beijinho e dizer, que esta história começa muito bem e promete...
Não vou perder o fio à meada... adoro histórias assim.

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:54

Obrigada pelo Beijinho.
E não, não percas o fio. E volta, que este telhado nem tem porta....

Beijo

De tugafixe a 05.01.2008 às 15:00

Olá Gata.
Gostei destes 2 textos. Mas também não é difícil!
Já estive em Sevilha há uns anitos, mas lembro-me bem da aura fantástica que emana daquela cidade... desde que não estejam 40º á sombra!

Beijinho

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:53

Olá Tuga.

Daquela cidade conheço recantos e ruas largas, pormenores e enfim....está-me na alma....

Beijos Tuga. Muitos....

De Cati a 06.01.2008 às 16:49

Estou para ver... o começo promete!
Beijo!

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:51

Promete??

Então já sabes.....

De ______ a 06.01.2008 às 18:51

Tou aqui desconfiguradinha pra ver as magníficas continuações. Vai um Lindt? nhoqt nhoqt...

Kiss no vento < :)

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 19:40

Vai Sim!
Vai que ainda não o comi todo!!!!!!!

Gulosa!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog