Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Gitano

por Lazy Cat, em 06.01.08

Photobucket

 

 

 

As primeiras notas acabaram de encher o espaço onde guardava lembranças e amarguras entre imagens dispersas e raios de sol hesitantes. E uma torrente de água morna inundou-lhe o rosto sem que sequer se apercebesse.

 

Ao ritmo das guitarras lavou imagens esbatidas, lavou memórias, limpou a cinza da vida. Em reverência silenciosa deixou que se lhe escapassem da alma todas as mágoas e todas as certezas, deixando-a em branco, lavada de impurezas.

 

Procurou um lenço atrapalhada, quando sentiu o sal na boca. Uma mão saída do nada estendeu-lhe um.

 

- No tíenes más por que llorar Gitana.

 

Aceitou o lenço oferecido, secou a cara. Levantou os olhos, descobrindo o estranho sentado na outra cadeira. Um copo meio cheio à sua frente, sinal que sempre ali estivera. Mas não ela. Estava noutra dimensão, noutro mundo, noutra hora. Ali, acabava apenas de chegar.

 

- No soy Gitana.

- Nadie que no lo sea llega a esta casa!

 

Endireitou-se na cadeira, tomando consciência que podia não ser bem vinda ao local, não sendo cigana. Lembrou-se do rapaz de olhos de velho. Nem sabia o nome dele…

 

- Me trajo un chico. Paseaba junto al río.

 

- Gitana…aunque no lo quieras ser, aquela voz de veludo... el ser gitano no está en nada más que en esta luz que te puntea el alma. Aúnque te mueras mil veces y otras tantas vuelvas a resuscitar, tienes alma de gitana y  partir de esta noche, jamás lo poderás negar.

 

Levantou-se, estendendo-lhe a mão para que o imitasse. Ouviu-se um burburinho na sala.

 

- Tranquila muchacha, estás en mi casa. Y entre mis hermanos y hermanas.

 

Ele virou-lhe a cadeira, e mandou-a sentar. Os músicos preparavam-se para recomeçar, tomadas as copas. Sentou-se, as mãos nas costas da cadeira, tão direita como elas. De novo se fez escuro, de novo se fez silêncio, de novo notas langorosas de guitarra surgiram no ar.

 

Como num laivo de lucidez latente pensou em sair. Levantar-se e sair. Fugir da música, fugir da vida, fugir de tudo o que a atraía e mantinha naquele lugar.

 

Primeiro a perna, que se encostou à sua. O calor daquele peito nas costas, o cheiro, o calor da respiração calma. O corpo dele moldado no dela, sentados na mesma cadeira, respirando a um tempo só. As mãos, os dedos longos que soltaram os seus e lhe esticaram os braços,

 

- Abraza a la musica Gitana, como a un amante. Déja-la que se haga tú.

 

Entre os acordes que se entranhavam na alma e aquela voz rouca e envolvente, entre o liquido dourado que lhe tinham trazido e aquele corpo quente e palpitante, deixou entrar cada nota e cada silêncio daquela noite inebriante.

 

E deixou de ter corpo, deixou de ser, sendo apenas movimento cadenciado por outro alguém. Não havia pensar em passado ou presente, apenas a urgência contagiante de se mover.

 

Ergueu as mãos ao céu, e como se o tivesse sempre feito, balançou ao ritmo das guitarras cada vez mais presentes, ao timbre de uma voz de certa forma distante que lhe sussurrava ao ouvido:

 

- Baila Gitana, baila para tu amante!

 

Tinha vaga consciência de olhares entre os movimentos e de um par de olhos dourados, de mãos que marcavam o ritmo de pés que não sentia seus. E dançou como quem renasce entre cinzas e adeus, dançou com alma, com a força que se renova a cada ciclo que se fecha, abrindo portas e janelas aos desígnios dos céus.

 

E quando se desfez a última nota em riscos de fumo branco abriu-se a porta, que lhe estava diante, e foi de mão firme que a trouxe até à rua.

 

- No la dejes que se pierda muchacho.

 

E o rapazinho de olhar velho encostado ao muro tomou-lhe a mão, naquele lugar agora escuro, um dedo em sinal de silêncio, andando sem parar. Chegados ao banco onde a encontrara procurou-lhe os olhos:

 

- Díme quien era por favor.

 

Brilhou uma luz nos olhos escuros, devolvendo-lhe um ar de menino.

 

- El que siempre será su Gitano… Señora.

 

 

 

Photobucket

publicado às 22:00


10 comentários

De Carlos Lopes a 06.01.2008 às 22:10

Baila, gata muchacha, baila.

Muy bien. Muy bien!!!

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 22:16

Carlos....Gracias!

Gata muchacha...... :-)

De ______ a 06.01.2008 às 22:14

Vício de te ler e reler e de te dizer sem demora que devias escrever um livro que iria apreciar por demais ter o privilégio de o poder ler e reler quando quisesse isso sim seria um prazer imenso!

Alma de cigana, de gata, alma de fogo e de infinito
Mas alma que sente e que salta,
Alma que vive entre o silêncio e o grito.

Esta música e este texto e até essa imagem foram buscar algo dentro de mim que me parece um reencontro… nem sei explicar.

Beijos olé
.

De Lazy Cat a 06.01.2008 às 22:18

Alma que voa entre tempestade e abrigo
Sem destino certo, sem rédeas nas asas
Para lugar secreto, num deserto antigo....


Ai Ki!
Pena não te estar eu a ler assim!



De ______ a 06.01.2008 às 22:59

Ai Ki Du – técnica marcial japonesa (?) que tem tb a vocalização à tia da linha tipo:

- Ai kidu, sabe lá era a hora do chá não me apeteceu!

Vermelho, torrada aparada saxafor…waiting…

De Viajante a 07.01.2008 às 00:10

Desculpa o atraso!
A minha parte da história já mora no Viagens...

Agora vou ler as outras, já volto.
Beijo viajante!

De Viajante a 07.01.2008 às 00:15

uau...
Assim está bem!
Maravilhoso... verdadeiramente sensorial, sensual... adorei!

De The Wolf a 07.01.2008 às 14:44

perfecto!

devolvendo-lhe um ar de menino...

chamáste?

Wolf kiss to Cat slurps!

De José Alexandre Ramos a 09.01.2008 às 22:19

percebo agora as tardes mornas.

escreves tão bem, gatinha, onde aprendeste? beijos :)

De gata a 10.01.2008 às 02:11

se me vais chamar gatinha bem podes poupar os passos! e as letras! o que seria uma pena!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog