Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



--.--.-- arabesque --.--.--

por Lazy Cat, em 19.06.08

 

 

À luz pálida das estrelas e da lua em decrescente, pensou que era engraçado como tudo tinha um tempo. Um ciclo para tudo e para tudo um ponto final. As árvores da avenida sussurravam segredos ao vento, e os passos dela ecoavam, como se se tratasse de um caminhante distante.

Trazia um casaco pendurado no braço, apesar da névoa fria a fazer tremer de vez em quando, e da pele por debaixo da seda fina pedir mais aconchego, trazia o casaco pendurado no braço. O vestido comprido reflectia o firmamento, projectando na avenida parcos brilhos cintilantes. Madeixas rebeldes de cabelo ondulado fugiam do sóbrio penteado, balouçando a cada passo diante dos olhos dela. Não as afastava. Seguia uma linha imaginária, traçada a tinta de dor de alma, alheia ao lento balouçar dos barcos, presa ao movimento constante da aliança que rodava no seu próprio dedo.

O vento fez rodopiar algumas folhas secas, que se prenderam ao vestido. Pensou que mesmo depois do fim, há ironias do destino. Lembrou-se de dançar ao vento com as folhas mortas em dias de tempestade. Com as tempestades de fora sabia lidar, com ritmo, com danças de folhas a rodopiar. Esta tempestade de dentro, que a mergulhava numa tranquilidade aparente e ao mesmo tempo a transformava num turbilhão já vinha fora de tempo, não trazia chuva nem vento, nem folhas a levantar-se do chão. Mas tudo tem o seu tempo…

Lembrou-se do calor de outra mão. De simetrias perfeitas, de cumplicidade. Lembrou-se de sorrisos. Lembrou-se de muitas palavras, muitas vezes repetidas. E de paz. Teve saudades. Não do calor ou do aconchego. Quebrado o laço, tudo tinha sabor de segredo e falsa verdade. Mas saudades da paz. Da certeza do silêncio. Do peso leve da solidão consciente face ao pesado fardo da certeza confirmada. Ninguém muda. E um tudo, muitas vezes , é mesmo nada. Suspirou e levantou a cabeça. Chegava o tempo da madrugada.

À luz intermitente do farol, deixou cair o casaco e a aliança polida, deu mais um passo e outro ainda. De olhos sempre postos no céu. Fundiu-se no branco da espuma, agradeceu o abraço da água profunda e sorriu. Fechou os olhos e, no fim do seu tempo, morreu.

 

 

 

 

 

 

 

Photobucket 

 

 

Letra da música

publicado às 00:35


6 comentários

De Teresa a 19.06.2008 às 18:46

"Da certeza do silêncio. Do peso leve da solidão consciente face ao pesado fardo da certeza confirmada. Ninguém muda. E um tudo, muitas vezes , é mesmo nada. Suspirou e levantou a cabeça. Chegava o tempo da madrugada."

* gosto muito deste pedacinho, muito. É duro, mas muito bonito!

De JoãoSousa a 20.06.2008 às 21:44

Fantastica historia de amor! Fantastica!

De Brain a 23.06.2008 às 13:13

Lazy, este teu arabesco, está simplesmente... como te hei-de explicar... FENOMENAL!

ADORO quando te leio assim!

Um Beijo meu.

De **** a 23.06.2008 às 16:30

"O vestido comprido reflectia o firmamento, projectando na avenida parcos brilhos cintilantes." - Muitas vezes nem sequer é preciso um vestido de seda fina para espelharmos a paisagem que nos envolve, para nos perdermos de tal forma no quadro que passamos a fazer parte dele, abandonamos a nossa identidade.
Quando estou com uma "... tempestade de dentro, que a mergulhava numa tranquilidade aparente e ao mesmo tempo a transformava num turbilhão já vinha fora de tempo..." tendo-me a isolar, gosto de andar sozinha nessas alturas - contudo nunca conseguiria transmiti-lo desta forma...

Perdi-me de tal forma nessa imagem que não me recordo de ter respirado durante toda a leitura... realmente o texto encantou-me

Beijos,
Sophia

De KI a 26.06.2008 às 10:20

Olá.

Beijo.

De Daniela a 26.06.2008 às 11:57

Pois é, gata... Sempre que passo aqui, tiras-me o fôlego!

Beijos enoormes!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog