Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Sofá....

por Lazy Cat, em 20.09.07
Não sei se me apetece...
Já cheira a Outono por aqui, o vento sopra baixinho,
apetecia apenas encostar-me e ficar assim. Gosto
deste sofá, já está habituado a mim. Tem o meu
cheiro e o meu jeito. É perfeito para estar longe do
mundo, basta fechar os olhos e tudo se apaga num
segundo. É o meu sofá. É o meu canto. A minha concha.
Os braços que me embalam e me aquecem, as costas
que me apoiam e nunca desaparecem. É meu. Tem a
minha forma. Somos o complemento um do outro.
Acolhendo-me torna-se útil, acolhendo-me dá-me conforto.
Fazemos parte um do outro.


Há gente assim,
que se agarra a coisas, que mais ninguém entende,
como um velho sofá, onde se enrosca e se estende
.





Há gente assim, que valoriza menos o que vê e mais o que sente.
Há gente assim, que perante um mundo louco, que cerca e aperta
procura um velho sofá onde se enrosca, e fica mais segura de
repente. E há gente assim. Como o meu sofá. Quer passem dias,
passem horas, passem anos, batemos à porta e estão lá. Há gente
assim, que no meio do mundo, que rodopia louca e surdo, abre os 
braços como o meu sofá. Não faz perguntas, não quer respostas
abre os braços e cabemos lá. Como marcos, num caminho,
mas feitos de compreensão e carinho.
Há gente assim. Mas não são muitos. Não são os reis das festas,
não são os reis de tudo. Não se notam no meio do mundo.
São as mãos silenciosas que nos puxam nas subidas. Que nos
evitam as quedas. Os olhos que encontramos quando perscrutamos
estrelas. Os sons do vento que nos toca devagar, que seca lágrimas
e nos dirige o olhar. São os sorrisos em silêncio. As chávenas
de chá de madrugada, as camisolas de lã e as torradas. São os
quilómetros que nos separam em segundos, a certeza do passado,
reafirmada agora, projectada no futuro. Há gente que estará sempre
dentro de nós, por mais que tudo o resto mude, e é assim porque
estar assim é ser completo, e não metade do mesmo objecto.
E depois há gente assim, que vamos encontrando na estrada,
entre a chuva e a trovoada. Gente de sorriso em punho. E de gritos
sentidos e profundos. Que também queremos gritar. Que parece
conhecer-nos. Viver no mesmo lugar. Naquele onde se encontram
vidas e preenchem espaços. Onde se desenham  palavras e
fabricam abraços. E se tenta enganar a dor. Gente igual a nós,
o mesmo molde, noutra cor. A caminhar nas arestas do cubo.
Em per pétua busca de equilíbrio, fazendo dos braços dum sofá
imaginário, o mundo fora do mundo, em que o verbo ser não
é adjectivado. Há sim, há gente assim. Que não tem medo de nada
e morre de medo de tudo, que busca e busca e não encontra nada,
porque não quer senão tudo.
E esse tudo nada é senão um velho e gasto sofá de veludo.

publicado às 22:56


4 comentários

De PP a 21.09.2007 às 00:24

"Há sim, há gente assim. Que não tem medo de nada
e morre de pavor de tudo, que busca e busca e não encontra nada,
porque não quer senão [um bocadinho])" ...

Magnifico, para não variar muito... Há gente que já nao consegue

*

De Lu@r a 21.09.2007 às 00:20

Faço uma troca, dou um quase novo por esse...

:)

Gostei do que li
Beijo-te enquanto te aperto

De KI a 21.09.2007 às 00:15

Há gente assim que tem um simples porto de abrigo, gente que n se importa com demagogias de pensamentos e se sente mais gente se apenas se sente. A penumbra é cúmplice de gente assim, gente assim se entende na sombra e na luz afasta-se de das equações problemáticas institucionalizadas de respostas pragmatizadas. Avisei n ligues, queria quedar-me como 'another brick on the wall' , existe uma cabala blogoesférica , hoje ninguém me deixa, ou estarei mais ensível? «Compartimentam-me» nas sensações do q escrevem e esvoaço nas palavras que partilham , é esta a sangue e ferro a dor de escrever. N me apetece o sofá, apetece-me um nada em que repouse as quimeras dos dias que n são hoje, apetece-me ler-te de novo e saber-me aqui neste mundo que roda girando na fasquia mais alta de nós, que tudo exige sempre sem comtemplações de «eus».

Beijos a ouvir o ' Encosta-te a Mim' do Palma, aqule sacana que tem o condão de cantar sempre que a penumbra clareia!!

De KI a 21.09.2007 às 02:05

Hello and welcome!! I like to see you here :)

Sento-me rendida a reler de novo este texto, e apreciarei sorrindo os comentários que te deixarem, quem sabe queiram partilhar algo mais ...

Beijos de Ki para ti =^:^=

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog