Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por Lazy Cat, em 20.01.14

são os dedos, é o sorriso, 

é o olhar travesso

é a doçura 

a ternura

a confiança infinita

que o teu olhar me grita. 

 

obrigada...por seres o leme do barco da minha vida| 

publicado às 11:19

anacronias

por Lazy Cat, em 17.10.13

 

quero acordar ontem, saltar de dia em dia, contar as horas para trás, refazer ao ralenti as correrias, sonhar antes de adormercer que depois já são horas de sentir, quero adivinhar no fim as letras com que a história se inicia. e quero cantar no silêncio e rir todas as lágrimas salgadas e comer gelados à colher dentro de copos entornados...quero que a medida do teu dedo, seja perfeita no meu anel e transformar as palavras inquietas em fitas longas de papel. e tecer devagar o vento, dar ao tempo a primazia, ele que passe, que depois eu chego, amanhã realidade ontem fantasia...

 

 

 

 

publicado às 16:16

Quando não restar mais nada

por Lazy Cat, em 26.06.13


Não, não venhas. Não venhas ver-me, não me procures. Não venhas, quando nada mais restar. Não venhas quando o Verão se tiver ido e os dias sejam pálidos e cinzentos, quando a luz estiver escondida, a do mundo e a tua, não venhas quando já nenhum sol te aquece e os teus pensamentos se afundam na espuma branca das vagas que te atingem. Não venhas. Não queiras saber de mim.

Não venhas quando todos os corpos já não passarem disso e todos os sorrisos te façam lembrar o meu, não venhas quando as manhãs forem frias e te faltarem os meus pés para adormecer porque todos os outros terão já ido, afastando-se, fugindo. Não venhas depois de tantas mãos nas tuas, de tantos lábios, de tantas verdades instantâneas que o calor evaporou.

Não venhas ao anoitecer, quando o frio já se me entranha e penso em aconchego. Não venhas de manhã, quando ainda de olhos mal abertos os nossos corpos se encontravam, ainda antes dos meus olhos procurarem os teus, as nossas mão já deslizavam em gestos só meus, em gestos só teus.

Não venhas, quando a vida te tiver esvaziado o olhar e o sorriso, porque sabes que há sempre lugar. Não venhas, com mil caras cruzadas nas tuas, mil ilusões, desfeitas e cruas, procurar casa e descansar.

Não, quando não te restar mais nada, porque nada soubeste guardar. Não me venhas dizer saudades, não me venhas ver, sequer, e se passares na minha rua, por acaso, passa depressa para não te ver.

Quando tudo for nada, ar em que te afogas e água que te faz arder, quando as palavras forem ódio e a esperança um vago saber, quando as ruas forem estreitas e os telhados ruínas, quando os dias forem anos e as vozes gritos em surdina, quando a chuva vier de dentro, quando o sol já tiver ido, quando não houver mais jogos nem mentiras que te façam fugir de ti…não me venhas ver, nem queiras saber de mim.

publicado às 15:48

343

por Lazy Cat, em 23.01.13

Hoje não estou.

Não batam à porta, não telefonem, não me procurem.

Nos meandros da minha mente há um coração que palpita

Que se agarra, que se afoga, que no silêncio mais absoluto

Apenas grita e grita….e grita…

 

Não estou. Nem quero estar. Hoje a vida pesa mais do que devia.

Quero ficar perdida em mim, na minha mente, na minha dor.

Esquecer que existe vida para além do que sinto, vida, qualquer

Vida para além da vida deste pequeno grande frágil amor.

 

Hoje não estou. Mas estou onde interessa. Onde é preciso estar.

No único lugar onde a vida se esvai depressa, o amor se conjuga

Devagar. Hoje não quero, fechei a porta. Há momentos em que o

ar que se respira corta, fere, arranca. É amar-te que me mata. 

 

  

publicado às 11:24

349

por Lazy Cat, em 18.01.13

Então veio o frio e depois a chuva. Contraiu-se, encarquilhou-se, dobrou-se vezes e vezes sem conta. And then the rain came. E choveu muito e choveu por muitas e longas horas. Dias. Semanas. E passaram meses.  Chuva, frio,  nuvens ainda por aqui e acolá.  O frio, sempre o frio, como uma segunda pele. And then one day the sun came and it brought a smile and after that…as never before, o vento, o frio,  chuva , nevermore, never ever more...

Because once upon a time, a very longtime you see, there was sunset over the sea, there was you and there was me.

 

 

 

publicado às 01:22

Um dia destes

por Lazy Cat, em 05.12.12

faço exactamente aquilo que me apetece fazer. 

 

 

E aposto que me vai saber MUITO bem! 

 

:-)

 

Tags:

publicado às 11:35

Há momentos

por Lazy Cat, em 07.11.12

em que vemos certas coisas de forma tão limpa, clara, tão nítida

que ficamos divividos entre a libertação e gratidão por ter finalmente percebido

e uma inenarrável e desoladora sensação de "eu devia ter percebido isto antes". 

 

Se isso nos deixar assim... ...tanto melhor!!!!!!  

 

publicado às 17:58

Lazy Cat rules #32554478

por Lazy Cat, em 26.10.12

 

What screws us up most in life is that

picture in our head of how it is supposed to be. 

 

Change it! 

publicado às 11:59

Des- a linha -da

por Lazy Cat, em 25.10.12

Parafraseando, há uma linha que separa a minha vida das outras. Não tem cor, não tem nome. Não tem sequer uma forma definida. Não se declina em várias opções mas é multifuncional. Retrai-se, alonga-se. Estica-se, adensa-se. Enrola-se, sobrepõe-se. É invisível, como todas as boas linhas devem ser. Mas presente e constante. Como queremos que sejam as coisas boas na nossa vida. É permeável, mas é selectiva. Não é, infelizmente, infalível. Na minha teoria, o espermatozóide que entra no óvulo é aquele que tem o conteúdo exacto para que se possa formar um ser completo e perfeito; tendo em conta que todos eles são únicos, apenas um, e só um poderá abrir a porta. A linha que envolve o primeiro só é permeável ao seu complemento exacto. Ainda assim, por vezes, a máquina da vida falha. Todos nós sabemos com que resultados mais ou menos desastrosos e não é disso que quero falar. Mas serve esta analogia. Para dizer que a linha que separa a minha vida das outras vidas, que a protege e a isola, que me permite dar-me sem me perder, também falha. A minha linha nem sempre é densa o suficiente, macia o suficiente, rígida que baste, maleável quanto se quer. Não é perfeita, digamos. Da minha vida entram e saem pessoas, nem sempre quando eu escolho, nem sempre quando eu quis. À minha vida chegam alegrias e tristezas, umas ficam outras vão-se. Pela minha linha passam felizmente, abraços e sorrisos, nos dois sentidos. Por mais fina ou densa que esteja, mantém espaço para saudades e reencontros. Por mais rígida que se torne, mantém um vislumbre de ternura e, por mais escura que se faça, mantém salpicos de humor e graça. Será inconstante, será severa. Será por vezes teimosa e irascível e outras vezes será vacilante e facilmente “quebrada”. Sim. Como já disse, é imperfeita. É uma linha consistentemente etérea, limite de mim e do que me faz quem sou. Fronteira móvel do meu ser. Uma linha que separa a minha vida das outras. Paralela de certas vidas, perpendicular a outras. Segmento de algumas. Ponto final, por vezes, apenas. Uma linha que não me define e não me contém, que não me fecha e não me retém, que não me solta,  me deixa voar, fio de seda colorido do meu papagaio de papel…

 

Pauta de estranhas melodias, espiral de admiração e espanto, corda desatada de magia, laços de bem-querer tanto…tanto!

 

publicado às 11:59

Herói das minhas fantasias.

por Lazy Cat, em 22.10.12

 

Nos meus olhos foste rei. Herói de todas as historias, todos os contos, todos os filmes. Nos meus olhos havia um brilho que nascia de ti. Uma cortina de ilusão sustentada pelo amor que votava inteiro, imaculado e completo ao ser pleno potencial que escolhi ver em ti.

 

E é assim que se ama perdidamente, loucamente, sem tino e sem medida. Numa realidade que construímos, com base no que vemos e ampliamos, esquecendo e fingindo ignorar tudo o que não se enquadra na nossa visão de harmonia perfeita. Não amando quem o outro é mas sim quem nós achamos que pode vir a ser.

 

 

 

publicado às 13:40


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados