Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por Lazy Cat, em 20.01.14

são os dedos, é o sorriso, 

é o olhar travesso

é a doçura 

a ternura

a confiança infinita

que o teu olhar me grita. 

 

obrigada...por seres o leme do barco da minha vida| 

publicado às 11:19

sem cuidado

por Lazy Cat, em 10.12.13

à boca cheia

sem o menor cuidado, 

à dentada, 

sem nada premeditado

sem planos, sem dias, sem horas, 

sem regras e sem demoras. 

 

é a vida. assim. digna de ser vivida. 

publicado às 11:41

é como...

por Lazy Cat, em 16.09.13

 

 

como um sorriso, doce, por entre as brumas da ponta das minhas pestanas

o teu olhar que me descobre e lentamente, se agarra e se entranha...

como um suspiro, lento, por entre as mãos que se descobrem sedentas

o teu corpo que madruga colado ao meu, nesta dança lenta, lenta...

publicado às 10:47

murmurar

por Lazy Cat, em 13.08.13

 

Palavras.
Por vezes sons, apenas.
Murmúrios de saudade e outras penas.
Doces, como beijos na raiz do cabelo
Ternos, eternos.
Murmúrios.
Sentimentos, segredos.
Receios, inseguranças e medos.
Murmúrios.
Palavras. Cristais. Rochedos

publicado às 21:18

às vezes...

por Lazy Cat, em 19.11.12

não basta limpar. Limpar uma vida, só por si, já é tarefa no mínimo complicada e raramente se faz

inteiramente de forma voluntária. Mas ainda que se faça, com a melhor das vontades, por vezes,

limpar não chega. E então, é preciso expurgar. 

 

Expurgar: (Lat. expurgare)

                 v.t. Limpar, corrigir, sanear.

                 Fig. Livrar do que é prejudicial, nocivo: expurgar dos maus elementos.

                 Purgar completamente. 



Às vezes tem que ser. Por mais doloroso que se adivinhe, ou seja. É uma acção positiva. 

É como aquelas limpezas de roupeiro: a determinada altura não cabe tudo e então, para 

que caiba o novo, faz-se espaço deixando do que já existe - APENAS- aquilo que nos fica mesmo bem. 

 

Have a nice monday! 

 


publicado às 10:59

vida

por Lazy Cat, em 16.05.12

 

 

Um beijo. Um sorriso. O café na mesa-de-cabeceira.

Pássaros, raios de sol que chegam à cama.

Sim, era isto. Tudo isto. O dia que começa, calmo e preguiçoso,

as noites que se prolongam, ternas e saborosas. Projectos que

arrancam e sonhos que se realizam. Mão na mão, olhos nos olhos.

Sem passado, só futuro. Sem segredos. Só certezas.

publicado às 11:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados