Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lazy Cat

No meu cérebro vive um caos sinfónico de ideias desordenadas. Num harém simbólico, todas concorrem -APENAS- pelo teu olhar deslumbrado...

Lazy Cat

No meu cérebro vive um caos sinfónico de ideias desordenadas. Num harém simbólico, todas concorrem -APENAS- pelo teu olhar deslumbrado...

Última noite em Sevilla

Janeiro 03, 2008

Photobucket

 

 

 

 

Chegaram ao anoitecer. O quarto, que não era o de sempre, pareceu-lhe velho e sombrio. Lá fora as luzes da cidade, cá dentro um calor abafado e insuportável.

Tomaram um duche rápido, por entre vapores e palavras, apenas as necessárias, e saíram. Percorreram em silêncio as ruas estreitas que tão bem conheciam, até chegar ao restaurante. Que também não foi o de sempre. Abrigado nas muralhas do castelo prometia sabores autênticos em quadro de encantar. A escolha da refeição não foi consensual, ele faminto e aventureiro, ela sem fome, apenas desejosa de comer e descansar.

 

O barulho da multidão cada vez mais densa infiltrava-se por entre as mesas, atingia e incomodava. Depois de uma sobremesa recusada e de um café insípido, pagaram e seguiram caminho. De todos os cantos chegavam vozes e risos que contrastavam com as caras do par que seguia, silencioso e afastado, entre as vielas. Desembocaram na praça. Foram abraçados pela multidão, por entre gritos e copos de bebidas de cores e cheiros duvidosos. Atravessaram e seguiram rumo ao rio, aos relvados serenos, tentado fugir aos alegres do botellón para talvez enfim conversar.

 

A cidade estranhamente estava fria, ou ela assim a sentia. As cores não eram as mesmas, nem os cheiros, nem os caminhos por onde seguia. Amava a vida daquela cidade, a alma cigana que cada pedra exalava, os segredos contidos entre pátios e sacadas. Aqui tinha dito que sim a uma vida em comum, aqui tinha firmado o pacto e aqui voltava, agora, na esperança que sentia vã, de recuperar o que outrora os aproximara tanto.

 

Voltaram para o quarto em silêncio, ela tomou outro duche, ele deitou-se na cama. Ela também, ainda molhada. Ele tentou abraçá-la, ela afastou-se, de costas voltadas. Adormeceram em silêncio, na magia da noite sevillana que outrora os encantara. E definitivamente quebraram o laço que os unia, numa cama num hotel sem nome, num quarto repleto de espaço cheio do nada que ao fio dos anos os prendera e afastara.

 

 

 

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D